Soluções de segurança online aumentam proteção de dados

Soluções de segurança online protegem dados corporativos. Vantagem da contratação do serviço em Cloud é o acesso remoto, sem instalações de software.

Os computadores da sua empresa e dispositivos móveis estão protegidos contra ataque de dados sensíveis? A Cloud Computing (computação em Nuvem) simplifica o trabalho das áreas de Tecnologia da Informação (TI), oferecendo soluções de segurança que detectam e bloqueiam ameaças virtuais antes das ocorrências.

Geralmente, essas soluções de segurança em Nuvem oferecerem antivírus, Firewall e ferramentas contra Adware (anúncios mal-intencionados) Spam (mensagens indesejadas) e outras tecnologias para inibir Malware (código malicioso, criado para danificar os equipamentos ou capturar dados).

A grande vantagem da contratação dessas soluções de segurança em Cloud Computing é o acesso remoto, sem necessidade de instalação nas máquinas. Para isso, basta que o computador esteja conectado a Internet.

Antigamente, esses produtos eram comercializados em caixas. Depois, os fornecedores passaram a vender licenças de software online, que deixavam o computador lento e exigiam atualizações constantes, que nem sempre eram realizadas pelo usuário. Agora esses pacotes estão disponíveis em Nuvem com ofertas no modelo de serviços.

Além da facilidade de uso, a Nuvem tornou os preços das soluções de segurança mais acessíveis. Com isso, os produtos estão sendo mais procurados pelas empresas e usuários finais para reforçar a proteção de dados armazenados em computadores e em dispositivos móveis como smartphones e tablets.

Importação das soluções de segurança

Atualmente os cuidados com proteção de dados em desktop, notebooks e smartphones precisam ser redobrados porque as pessoas ficam conectadas praticamente o dia inteiro. O avanço da mobilidade colocou mais serviços online à disposição desses usuários e aumentou os riscos de ataques.

Com o movimento do Bring your own device (BYOD), que permite que os funcionários levem seus dispositivos particulares para o ambiente de trabalho, um mesmo aparelho carrega o perfil profissional e pessoal.

Muitos utilizam seus dispositivos móveis para acessar aplicações corporativas com informações sensíveis dos negócios. Nem sempre o funcionário tem a noção dos riscos que corre com uso de aparelhos desprotegidos, cabendo à empresa adotar regras para a prática do BYOD, estabelecendo regras e políticas para uso das soluções de segurança.

Nesses casos, as empresas precisam gerenciar os aparelhos que entraram na companhia pelas portas do BYOD. É preciso verificar se eles estão com antivírus e com outras soluções de segurança instaladas e atualizadas.

Proteção contra ameaças virtuais

Da mesma forma que as tecnologias evoluíram, avançaram também as técnicas de ataques. Segundo especialistas em segurança, os golpes agora são direcionados e aproveitam que os usuários estão conectados quase o tempo todo para distribuição rápida das ameaças virtuais.

Um estudo da Dell sobre ameaças virtuais revela que os ataques por Malware praticamente dobraram em 2015, somando 8,19 bilhões de tentativas em todo o mundo. O relatório foi realizado com base em dados recolhidos durante todo o ano passado pelo Dell GRID (Dell SonicWALL Global Response Intelligence Defense).

O levantamento mapeou os principais riscos à segurança da informação que as empresas ficaram expostas no último ano e as principais tendências para 2016. A pesquisa mostra aumento no uso de ‘kits de exploit’, que proporcionou aos invasores um fluxo constante de oportunidades para atacar vulnerabilidades de dia zero.

A pesquisa mostra que os cibercriminosos estão mais audaciosos e utilizando novas técnicas que intensificaram ataques, principalmente direcionados aos dispositivos móveis.

Como tendências para 2016, o estudo aponta que as empresas vão intensificar o uso de criptografia contra ataques de dados. Porém, o levantamento sinaliza aumento do número de ameaças contra smartphones. O grande alvo são os aparelhos com sistema operacional Android.

 

Gostou do artigo? Comente!


Comente o que achou