Erros que devem ser evitados na migração para a Nuvem

Prepare-se e faça um plano de migração para Nuvem para evitar erros e aumentar taxa de sucesso com a mudança

Os apelos constantes de fornecedores fazem com que algumas empresas decidam escalar a Cloud Computing (Computação em Nuvem) sem planejamento. Quando não obtêm os resultados esperados, retornam para o modelo antigo de processamento da Tecnologia da Informação (TI) em infraestrutura interna, chamada de on-premises e colocam culpa no modelo de serviços. Abordamos quatro erros mais comuns na migração para Nuvem que devem ser analisados com cuidado para evitar decepção.

Existe muita euforia de empresas na hora de aderir aos serviços de Cloud Computing. Muitas ficam animadas com a possibilidade de enxugar custos e aproveitar melhor o magro orçamento da TI com uso de recursos na modalidade de serviços. Há também as que decidem colocar um projeto novo no ar e percebem que a infraestrutura que possuem em casa não vai dar conta da demanda e buscam a Nuvem como uma solução rápida para o problema.

A Cloud Computing se destaca por oferecer a possibilidade de diminuir gastos com TI, praticar mais a inovação e acessar recursos em menor espaço de tempo, sem que seja necessário investir em hardware ou software. Outro ganho da modalidade são suas características de elasticidade e escalabilidade que permitem expandir ou reduzir a capacidade de processamento.

Para obter esses benefícios, a empresa precisa fazer a sua lição de casa de planejar a mudança para Nuvem. Vale mais a pena perder tempo na definição de uma estratégia que seja alinhada com as operações da companhia do que correr risco de dar um passo errado.

Erros a serem evitados na migração para Nuvem

Listamos a seguir quatro medidas erradas que sua empresa deve ficar atenta na hora de optar por serviços em Cloud Computing.

1- Aderir ao modismo sem estudo prévio

Todo projeto novo exige um planejamento com objetivos e metas claras. Faça um levantamento interno de quais soluções de TI sua empresa precisa transferir para Nuvem, colocando na balança os prós e contras. Lembre-se nem tudo vai para Cloud Computing.

Converse com as áreas de negócios para entender as necessidades da operação. Consulte fornecedores de suas aplicações para saber se oferecem ofertas em Cloud de sistemas antigos que estão rodando na empresa. Depois, elabore um plano estratégico de mudanças.

2- Escolha da Nuvem inadequada

Com avaliação inicial você terá em mãos a lista de aplicativos e sistemas que deseja mover para a modalidade de serviços. Agora é o momento de escolher a Nuvem mais adequada para hospedar seus sistemas.

Você pode até ficar animado com a possibilidade de colocar tudo na Cloud Pública. Fornecida em larga escala por grandes provedores, esse tipo de rede apresenta preços mais competitivos que a Cloud Privada e Híbrida. Porém, essa nem sempre é a melhor decisão para seu tipo de negócio. Por isso, a importância de fazer uma análise e separar o que é mais crítico e menos sensível às operações.

3- Achar que não precisa de contingência

Mudar para Nuvem pode até passar a sensação de que tudo estará disponível na hora que é preciso e que não é necessário mais fazer cópia de dados nem duplicar arquivos. Pensar desta forma é um erro. Sua empresa necessita sim de um plano B caso algo dê errado.

Elabore um plano de continuidade dos negócios que contemple as políticas de segurança da empresa. Providencie soluções de backup e de disaster recovery (para recuperação de desastre). Entenda também as medidas de contingências adotadas pelo seu provedor em caso de incidente.

4- Transferir a responsabilidade de segurança para o provedor

A segurança em Nuvem é responsabilidade compartilhada entre a empresa que contrata e o provedor. Analise bem todas as cláusulas do contrato para não ser surpreendido após os fatos terem acontecido.

Se sua empresa não tem políticas bem alinhadas contra crimes cibernéticos, não poderá responsabilizar apenas o parceiros de serviços em caso de ataques. Crie um plano para reforçar a segurança das aplicações armazenadas tanto internamente quanto remotamente. Treine bem e conscientize os usuários sobre os cuidados com acesso às informações sigilosas dos negócios em Cloud Computing.

Gostou do artigo? Comente!


Comente o que achou