Como aproveitar a segurança que a cloud oferece?

Veja os maiores responsáveis por comprometer a sua segurança e confira nossas dicas de como reduzir os riscos na Cloud

A segurança de dados é um dos principais pilares da Tecnologia da Informação (TI) e uma das maiores preocupações das empresas, principalmente quando se trata de informações estratégicas para os negócios. Essas questões em Cloud não são muito diferentes. As empresas devem reforçar suas políticas de proteção e orientar os funcionários para extrair os benefícios da Nuvem, sem colocar suas operações em risco.

Os cuidados com a segurança devem fazer parte de todo o planejamento de migração para a Nuvem. A modalidade de uso da TI como serviço proposto pela Cloud muda completamente a relação dos usuários com os recursos de tecnologia, que até então ficavam centralizados dentro de companhia. Pelo novo sistema, servidores, software corporativos e outras ferramentas saem do ambiente físico da organização. O processamento acontece de forma virtual em Data Center de terceiros.

Uma das vantagens da Nuvem é permitir o acesso remoto das aplicações que suportam os negócios. Os funcionários poderão se conectar à rede corporativa e executar suas tarefas onde quer que estejam utilizando os variados tipos de dispositivos como smartphone e tablets, o que aumenta os desafios para proteção de dados sensíveis. Por isso, é importante que as empresas façam um planejamento sobre os mecanismos de segurança que adotarão em Cloud para minimizar riscos, como uso de backup, criptografia e outras ferramentas contra as ameaças cibernéticas.

Especialistas recomendam que a segurança da informação armazenada em Cloud seja tratada de forma corporativa com políticas baseadas no tripé: pessoas, processo e tecnologia, algo não muito diferente do ambiente interno.

Todos devem conhecer as regras de acesso às aplicações em Nuvem como, por exemplo, o uso de senhas fortes, com mudanças de tempos em tempos. Com a conscientização alguns erros podem ser evitados e reduzidas as vulnerabilidades.

Como melhorar a segurança?

Alguns cuidados básicos de segurança devem ser tomados para garantir a proteção de suas aplicações em Nuvem. Listamos aqui alguns deles:

  • Invista em Unified Threat Management (UTM), sistema de gestão unificada contra ameaças de segurança e que vem com funções antívirus, anti-spyware, spam, firewall de rede, detecção e prevenção de entradas não autorizadas entre outros recursos;
  • Procure deixar que alguns aspectos de sua aplicação só possam ser acessados via VPN (Virtual Private Network)
  • No caso de aplicações Web, instale um firewall específico para (WAF). Isso as protegerá de técnicas comuns de invasão, como o cross-site scripting (XSS) e injeções maliciosas de SQL (Structured Query Language);
  • As piores consequências de ataques na Nuvem são o vazamento ou perda total de dados. Por isso, trate seus dados conforme o uso. Quando se fala de dados “em movimento” (Data in Motion – DAM), as chaves de segurança devem estar tanto do lado do usuário como no servidor. Já para os Dados “parados” (Data at Rest), trabalhe com uma rotina de backups e os proteja com criptografia;
  • Determine bem as permissões de cada usuário dentro da aplicação para evitar brechas de segurança. Um dois maiores riscos é deixar o hypervisor (o responsável pela virtualização) exposto para exploração. Por isso, trabalhar para isolá-lo de forma eficiente é um dos passos primordiais para garantir sua segurança na Nuvem:
  • Opte por Data Centers que possuam sistemas contra DDoS (Denial of Service) – ataques de negação de serviço, para garantir a disponibilidade da conexão de Internet e sistemas corporativos em situações de risco, evitando que a rede fique fora do ar por saturação do tráfego de Banda Larga. Para atender essa necessidade, o mercado oferece uma solução Anti-DDoS  para que sua empresa possa detectar e mitigar ataques DDoS de forma proativa.
  • Utilize sistema de prevenção de intrusão (IPS) que avalia ameaças e detectam vulnerabilidade na rede, que podem gerar ataque de DDoS, ou seja, de negação de serviço;
  • Teste as vulnerabilidades dos sistemas operacionais com frequência.

Vale lembrar que o trabalho de segurança é uma tarefa contínua de monitoramento e atualização dos processos.

Gostou das nossas dicas? Comente!


Comente o que achou