O que incluir na migração para Cloud Computing

Confira nossas dicas do que sua empresa deve contemplar na migração para Cloud Computing

O início de ano é um bom momento para promover mudanças e analisar soluções que reduzam custos da Tecnologia da Informação (TI). A adoção de Cloud Computing (Computação em Nuvem) é uma saída para melhor aproveitamento do orçamento da área. Apesar disso, muitas empresas têm dúvidas sobre o que deixar em casa e o que contemplar na migração para Nuvem. Neste post daremos algumas dicas que podem ajudar sua companhia na condução desse projeto.

O primeiro passo antes da migração para Cloud Computing é analisar as regras que regem o seu negócio. Essa avaliação ajuda a definir quais sistemas terão que ser mantidos em ambiente interno e o que vai para a Nuvem.

A migração para Cloud Computing oferece inúmeros benefícios, principalmente para as pequenas e médias empresas (PMEs). Ao optar pelo consumo de TI pelo modelo de serviço, ou seja, pagamento por uso, o pequeno empresário deixa de investir na compra de servidor e de software.

Na transferência dos ativos de TI para Nuvem, as empresas economizam também com mão de obra especializada. Isso porque a manutenção e gerenciamento dos sistemas passam a ser responsabilidade do provedor de Cloud Computing.

Além do fator custo, a migração para Cloud Computing oferece a facilidade de acessar as aplicações de sua empresa pela Internet de qualquer lugar. Os dados corporativos ficam disponíveis para acesso 24 horas e oferece ainda a vantagem de os documentos poderem ser compartilhados online com funcionários e clientes.

A empresa pode ainda aumentar ou reduzir a quantidade de sistemas, conforme sua necessidade. Se o negócio cresce, é só alugar mais máquinas e diminuir quando há queda de receita. Essa flexibilidade não existe com a TI tradicional em que as companhias compram servidores para projetos pontuais ou períodos sazonais e acabam ficando com equipamentos ociosos quando o processamento cai.

Para desfrutar de todos esses benefícios, é essencial que as empresas façam um bom planejamento de migração para Cloud Computing. Comece verificando que tipo de Nuvem atende seu negócio, considerando os custos envolvidos. Existem três categorias: Nuvem Pública, Privada e Híbrida.

A Nuvem Pública é oferecida em larga escala pelos provedores com infraestrutura compartilhada e por esse motivo custa menos. A Cloud Privada é projetada sob medida para a empresa e vai exigir investimento maior. A Híbrida é ainda mais sofisticada porque reúne em um mesmo ambiente o que há de melhor das duas modalidades de Nuvem.

Por questão de custo, geralmente as Pequenas e Médias Empresas (PMEs) acabam abraçando a Nuvem Pública. Entre os serviços mais procurados pelos pequenos empresários estão servidores virtuais para armazenamento de dados, soluções de e-mail, aplicativos de produtividade em escritório, sistemas de gestão empresarial (ERP) para controlar os negócios e ferramentas para reforçar o relacionamento com o cliente (CRM).

O que contemplar na migração para Cloud Computing

Veja a seguir dicas de como fazer a separação do que fica em casa e o que levar para Nuvem.

Classificação de dados do negócios

Na hora de decidir que dados serão armazenados em Nuvem, faça a separação do que é crítico para sua operação. Ou seja, classifique o que é confidencial e o que não exige tanto controle. Faça esse estudo seguindo as políticas de segurança da sua empresa. Após esse pente fino, você terá ideia do que vai para Nuvem e o que vai deixar em casa.

Fique atento com as normas que regem o seu negócio. A legislação brasileira, por exemplo, exige a confidencialidade de alguns tipos de dados. Dependendo do ramo de atuação, essas informações não podem armazenadas em Nuvem fora do País.

Servidores pouco utilizados

Observe como está ou uso dos servidores da sua empresa. Se existir algum que esteja sendo ocupado para rodar uma ou duas aplicações, faça os custos de manutenção desse equipamento. Você pode chegar à conclusão que é melhor transferir as aplicações para a Nuvem e desativá-lo ou então dar outro destino para esse servidor.

Escolha das aplicações que mudarão para SaaS

Depois de analisar o ambiente de hardware olhe para todas suas aplicações de negócios para eleger quais poderão migrar para a modalidade de Software como Serviços (SaaS), sem transtorno para sua operação.

Essa pesquisa exige avaliação das licenças com seus fornecedores. Identifique se essas empresas possuem versões que rodam em Nuvem. Atualmente, a maioria dos produtores de software possuem tecnologias em SaaS. Mas se tiver algum sistema antigo que não esteja compatível com Cloud Computing, talvez seja hora de buscar uma solução mais flexível. Claro que a mudança exige um estudo detalhado, ainda mais se essa ferramenta for crítica para seu negócio. As avaliações podem mostrar que o melhor é manter essa aplicação dentro de casa.

Gostou do artigo? Comente!


Comente o que achou