Metade dos aplicativos para IoT será criada em PaaS

Previsões do Gartner indicam que até 2020 cerca de 50% das soluções de software para Internet das Coisas serão desenvolvidos na modalidade de Nuvem PaaS

A promessa da Internet das Coisas (IoT) de dar vida às máquinas e aos dispositivos móveis, conectando quase tudo do mundo físico com o digital, vai movimentar o desenvolvimento de software em Cloud Computing (Computação em Nuvem). Em 2020, cerca de 50% dos novos aplicativos criados em Plataforma como Serviço (PaaS) será designada para atender projetos de IoT, segundo projeções do Gartner.

O serviço PaaS (Platform as a Service) é a solução que oferece ambiente com todos os produtos de software e hardware necessários para desenvolver e gerenciar aplicativos em Cloud Computing.

A oferta de PaaS pode ser contratada pela Cloud Pública, Privada ou Híbrida. Pelo sistema, os usuários pagam conforme o uso da plataforma e controlam como os aplicativos criados e utilizados durante todo o seu ciclo de vida.

IoT vai automatizar um mundo de coisas

A IoT vai interligar máquinas, automatizar tarefas e criar soluções de grande impacto em empresas e vida dos consumidores. Pelas projeções do Gartner, até 2020 mais da metade dos principais processos e sistemas de novos negócios irá incorporar algum elemento da nova Internet.

Pelas estimativas do instituto de pesquisas, havia cerca de 5 bilhões de coisas conectadas ao redor do mundo em 2015 pela IoT, um aumento de 30% na comparação com 2014. A previsão da consultoria é de que esse número se multiplique para 25 bilhões em 2020.

De acordo com analistas de mercado, a IoT será o alicerce para a construção de cidades, casas inteligentes e diversos projetos nos mais variados segmentos da economia.

Atualmente, a Internet das Coisas está sendo utilizada para fabricação de carros conectados, monitoramento de transporte público como ônibus e trens, e para automatizar serviços de consumo como água, luz e gás.

O governo e o setor de saúde estão entre os quais vão usar fortemente a IoT para prestar serviços à população. Dispositivos móveis vestíveis (Wearable) como Smartwatches, ou relógios inteligentes, conseguem transmitir dados em tempo real sobre o tratamento de portadores de diabetes e outras doenças que exigem acompanhamento constante.

Como o céu é o limite para IoT, o setor de varejo, instituições financeiras e diversos segmentos vão utilizar a nova Web para gerenciar instalações, máquinas, coletar dados de sensores e prestar novos serviços aos clientes com redução de custos.

Desenvolvimento em PaaS para IoT

Com o potencial para conectar um mundo de coisas, a IoT vai deixar de lado as arquiteturas convencionais de desenvolvimento, preferindo o ambiente de PaaS para atenderá os projetos com mais velocidade, conforme previsão do Gartner.

Benoit Lheureux, vice-presidente do Gartner, acredita que a IoT vai impulsionar o uso de PaaS e transformar as práticas de design no desenvolvimento das novas aplicações de negócios. Ele destaca que esse fator é importante porque a IoT vai conectar muitas coisas com muita velocidade e processar grandes volumes de dados.

A maior parte dos aplicativos para IoT será implementada em ambiente de PaaS híbrido, com integração de aPaaS (plataforma de aplicações como serviço) e iPaaS (plataforma de integração como serviço).

Apesar disso, o Gartner prevê também que até 2018 mais de 70% das organizações usuárias de PaaS privada vão criar serviços de contêineres. Essa opção, segundo a consultoria, possibilitará oferecer aos usuários acesso à infraestrutura virtualizada em larga escala, com rapidez.

O sistema de contêineres, segundo o Gartner, permite outras vantagens como monitoramento, balanceamento de carga e comunicações eficiente com o ambiente de desenvolvimento virtual.

Gostou do artigo? Comente!


Comente o que achou