Impressão 3D acessa aplicações em Nuvem

Soluções em Nuvem são essenciais para o crescimento da Impressão 3D. Veja como esse mercado está se desenvolvendo.

O primeiro carro produzido via Impressão 3D deverá entrar nas linhas de fabricação em 2022. Dois anos depois, em 2024, a medicina será capaz de realizar o primeiro transplante de fígado com órgão artificial criado com essa tecnologia. A previsão é do World Economic Forum (Fórum Econômico Mundial) que identifica essa tecnologia como uma megatendência tecnológica para os próximos anos.

Apresentamos neste post mais informações a respeito do tema e sobre as necessidades de Cloud Computing (Computação em Nuvem) que irão surgir a partir desse novo ambiente virtual criado pela revolução da Impressão 3D.

O relatório “Technology Tipping Points and Societal Impact“, divulgado no ano passado pelo WEF aponta 21 tecnologias disruptivas que irão romper os modelos tradicionais de negócios apresentando soluções mais econômicas que as existentes no mercado, gerando transformações na economia, na política e na sociedade entre 2018 e 2027.

A pesquisa destaca que aplicações de SaaS – Software como Serviço mudarão drasticamente os negócios. O levantamento apresenta diversas áreas nas quais os aplicativos em Nuvem terão presença maciça nas próximas décadas, sendo que uma delas é a Impressão 3D com a digitalização das coisas.

As outras megatendências que vão usar SaaS em larga escala são a Inteligência Artificial, comunicação móvel via Wearable (acessórios vestíveis), IoT – Internet das Coisas, computação ubíqua (que torna a tecnologia onipresente no cotidiano das pessoas sem que elas percebam) e estruturas blockchain para operações financeiras via modelo digital.

Este foi o primeiro relatório do Fórum Econômico Mundial sobre as transformações na Era Digital e contou com a participação de cerca de 800 executivos e especialistas em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) de diversas partes do mundo.

Como funciona a Impressão 3D

A Impressão 3D reproduz qualquer coisa por meio de impressão tridimensional. Os equipamentos utilizam insumos de resina plástica e modelagens laser para impressão de objetos. As impressoras são equipadas com software que fazem a leitura dos arquivos e transmitem informações para criação das coisas.

A impressão 3D irá transformar os processos de fabricação, tornando a prototipagem acessível a empresas de todos os tamanhos. O sistema possibilita criar produtos em casa e está sendo apontada pelos cientistas como uma solução viável para saúde. Atualmente, as máquinas já são usadas para projetar próteses para substituição de pernas, braços e outros membros para humanos, bem como para animais com menos custos que os métodos tradicionais.

No futuro, a Impressão 3D reproduzirá também órgãos do corpo humano pela técnica de “Bioprint” para salvar vidas em cirurgias de transplantes. É claro que nesse caso, os materiais e técnicas serão outras completamente diferentes das usadas para impressão doméstica de objetos.

O norte-americano Chuck Hull, considerado o pai da Impressão 3D, apresentou a técnica de estereolitografia, tecnologia precursora da impressão 3D. As primeiras versões comerciais de impressoras 3D foram desenvolvidas por S. Scott Crump, cofundador da fabricante Stratesys em 1989. Depois a tecnologia começou a deslanchar e já temos casos de uso na manufatura. Novas aplicações deverão se valer dessa tecnologia e uma verdadeira transformação ainda está por vir.

A principal vantagem da Impressão 3D é a criação de protótipos com mais velocidade, o que reduz erros e custos dos projetos. O sistema permite que os produtos prontos para uso sejam feitos de 25 a 100 vezes mais rápidos do que outros métodos com custos menores.

Com essa característica, a Impressão 3D a abriu espaço para inovação nos processos de manufatura e vem sendo apontada como tecnologia essencial na Indústria 4.0. Atualmente, fabricantes do setor automobilístico, aeroespacial, consumo e de outros segmentos da economia estão lançando mão dessa tecnologia na criação de produtos.

Estudos da The Consumer Techonology Association (CTA) estimam que, em 2020, o mercado de Impressão 3D gere uma receita global de US$ 20 bilhões.

Esse volume de negócios sinaliza que as empresas vão precisar investir em soluções Cloud para armazenar os novos projetos. Teremos novos usos de SaaS e de IaaS, bem como desenvolvimento de plataformas (PaaS) e mecanismos de segurança online.

Gostou do artigo? Comente!


Comente o que achou