Embratel anuncia promoção relâmpago de Cloud Server

Campanha de Cloud Server da Embratel inclui oferta de infraestrutura de TI com franquia de 100 GB por apenas R$ 44,90 ao mês

A Embratel iniciou uma promoção relâmpago de Cloud Server, com franquia de 100 GB de transferência a preços competitivos para incentivar empresas a migrar ou expandir projetos em Cloud Compuing (Computação em Nuvem). O serviço inclui uma sofisticada oferta de infraestrutura (IaaS) em Nuvem aliada à total flexibilidade financeira, trazendo redução de custos e oferecendo a maior capacidade computacional disponível no mercado nacional.

Pela campanha, empresas e desenvolvedores que necessitam de infraestrutura para hospedar aplicações, arquivos e dados podem criar servidores virtuais dinâmicos em poucos minutos. A oferta inicial de Cloud Server com a franquia de 100 GB de transferência está em promoção por apenas R$ 44,90 até o dia 30 de junho.

A solução Cloud Server combina elasticidade e poder computacional com a maior capacidade de conexão de rede do País, sem a necessidade de franquias mínimas. A cobrança é realizada por hora, de acordo com o consumo dos recursos computacionais. Uma das vantagens é que o preço é fixo em reais, eliminando o risco financeiro proveniente de alterações na cotação do dólar.

“Empresas de diferentes portes e segmentos que precisam de uma plataforma de alto desempenho e confiabilidade podem contar com nosso completo portfólio de Infraestrutura em Nuvem”, afirma Mário Rachid, Diretor de Soluções Digitais da Embratel, destacando que o serviço pode ser totalmente customizado sob demanda.

Atributos do Cloud Server

Com a campanha relâmpago, a Embratel coloca à disposição de gestores de TI e desenvolvedores da área uma plataforma com recursos completos. Eles têm a opção de escolher a virtualização tradicional (KVM) ou, de forma inédita no Brasil, Containers Linux (CT).

O Cloud Server oferece desempenho “near-native”, com a maior amplitude de hardware virtual do mercado com 1 a 20 vCPU e RAM de 512 MB a 256 GB, além de contar com sistemas redundantes Virtual-SAN de última geração.

A infraestrutura do Cloud Server é proporcionada pelo Parallels Automation for Cloud Infrastructure (PACI), acesso à Load-Balancers nativos, vLan privativa, Firewall e Autoscaling, configuráveis por meio de painel de controle ou por API Restful.

A plataforma computacional do Cloud Server Embratel é oferecida a partir de servidores e equipamentos de rede 100% Cisco, com switches Cisco Nexus, servidores Cisco UCS e processadores Intel Xeon E5, com baixíssimos níveis de concorrência de recursos.

A Embratel possui a maior abrangência de conexão de rede do país, proporcionando o melhor tempo de resposta às suas aplicações. Seu Data Center é tier 3 com operação 100% no Brasil, o que proporciona baixa latência e melhor tempo de resposta às aplicações. Toda infraestrutura do Cloud Server também está protegida contra ataques de negação de serviço (DDoS).

Para saber mais sobre o novo serviço de Cloud Server da Embratel, acesse o site da campanha.

Gostou das nossas dicas? Comente!


Comente o que achou

4 comentários

  1. Viltamar Responder

    Gostaria de saber mais informações.

    1. Cloud 21 Responder

      Olá caro Vitamar, obrigada pela sua mensagem.

      Você encontra mais informações na loja da Embratel. No site abaixo:

      https://loja.embratelcloud.com.br/?NAME_PATH=CSE&utm_source=hub&utm_medium=cloud&utm_content=baixa-latencia-lancamento&utm_campaign=banner-336x280_lateral

      Obrigada!

  2. Vladimir Responder

    Uma vez contratado por este valor na promoção, qual o período de validade ?

    1. Cloud 21 Responder

      Cloud Server

      Servidores sob demanda com o melhor tempo de resposta

      Servidor virtual dinâmico que permite o armazenamento e a hospedagem de aplicações, arquivos e dados. A cobrança é por hora com base nos recursos definidos e sem prazo mínimo de contratação.
      É indicado para empresas que precisam de uma infraestrutura de alta performance sob medida às suas necessidades, com total autonomia para administrar e criar servidores em poucos minutos. Permite a criação e o gerenciamento de servidores virtuais utilizando virtualização tradicional (KVM) e Containers com suporte a Docker. Extrema granularidade e controle de recursos computacionais, permitindo, por exemplo, que o cliente escolha, além da quantidade de vCPUs, a velocidade de clock de cada unidade de processamento, sem interrupções no funcionamento do(s) servidore(s).
      A plataforma computacional do Cloud Server Embratel é oferecida a partir de servidores e equipamentos de rede 100% Cisco, com switches Cisco Nexus, servidores Cisco UCS e processadores Intel Xeon E5, com baixíssimos níveis de concorrência de recursos. A automação e orquestração é completa, e é acessível tanto via Painel de Controle quanto via APIs Resful.
      CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:
      Sistemas Operacionais:
      · Windows Server
      · Red Hat Enterprise Linux
      · CentOS
      · OpenSUSE
      · Ubuntu Server
      · Debian
      ·
      Banco de Dados:

      · MySQL Community
      · Microsoft SQL Server

      Memória RAM: 512 MB a 256 GB

      vCPU: 1vCPU a 20 vCPU

      Velocidade Processamento (vClock): 1,0 a 2,5 GHZ

      Armazenamento (Disco): 20 GB a 5 TB

      Transferência: 100 GB incluso

      Largura de Banda: 10 Mbps à 1 Gbps

      IP’s: Até 5 IP´s públicos inclusos, adicionais sob demanda

      Tipo de Virtualização: Hypervisor ou Container

      Virtualização Hypervisor (VM): virtualização que emula a arquitetura x86-64 sem a necessidade da presença de um sistema operacional entre a máquina física e a máquina virtual. A virtualização Hypervisor é compatível tanto com sistemas operacionais Linux quanto Windows.
      Virtualização Container (CT): virtualização em nível de sistema operacional que cria espaços de usuário e processamento isolados entre si, compartilhando um mesmo núcleo operativo. A virtualização Container suporta Docker, uma tecnologia de código aberto que permite criar, executar, testar e implantar aplicativos distribuídos dentro de contêineres de softwares. A virtualização Container é compatível apenas com sistemas operacionais Linux.

      FUNCIONALIDADES:

      Ferramenta de Backup:
      É possível criar backups manuais (ad-hoc) ou escolher uma opção de rotina pré-existente. Backups manuais (ad-hoc) são sempre do tipo Completo (FULL), ao passo que backups agendados podem variar entre Completo (FULL) e Incremental (INCREMENTAL), dependendo do número de ciclos. Dentro de uma rotina de backup, a primeira cópia é sempre do tipo FULL, e todos os subsequentes são do tipo INCREMENTAL. Como a rotina prevê a retenção de 30 cópias, ou seja, dos últimos 30 backups efetuados sejam eles do tipo FULL ou INCREMENTAIS, terá à disposição várias cópias de backups FULL e INCREMENTAIS para efetuar um restore. Quando o número de cópias atinge o valor determinado (30 no caso da rotina Diária), as cópias mais antigas serão automaticamente e sequencialmente apagadas. Um Cloud Server pode ser associado apenas a uma rotina de backup.

      Ferramenta de Criação de Réplicas (ImageTool):
      A funcionalidade de réplicas-modelo permite configurar e personalizar Cloud Servers com tudo o que puder ser armazenado no disco rígido inicial, tais como configurações e alterações feitas no Sistema Operacional e qualquer software instalado sob este. Isso permite que estas modificações ou personalizações sejam reaproveitadas para aprovisionamento de novos Cloud Servers, que poderão ter configurações de hardware virtual diferentes do Cloud Server original.

      Armazenamento para Réplicas (vImage):
      Consiste no volume, medido em GB, de espaço de armazenamento externo e apartado para armazenagem de réplicas-modelo (“images” ou ainda “templates”) de Cloud Servers e o conteúdo de seu disco virtual inicial pertencente a uma mesma assinatura. Este volume de armazenamento pode ser acessado e utilizado através da ferramenta de criação de réplicas da própria da plataforma.

      Rede Virtual Local Privada (PVLAN):
      É possível utilizar uma VLAN privada (PVLAN), que cria particionamentos na camada 2 do modelo OSI, isolando pacotes de rede contidos em um mesmo domínio de broadcast, de maneira que o tráfego dentro dela é considerado seguro. Os dados trafegados na vLAN não são tarifados, e a velocidade média desta rede é de 1 Gbit/s, suficiente para arranjos de aplicação em que é necessário mais de um servidor. Os Cloud Servers podem ter acesso à Internet e a vLAN simultaneamente (uma vNIC conectada à PVLAN e outra à Internet). Em linhas gerais, uma vLAN funciona exatamente como uma rede local privada (LAN), conectada a um switch virtual e privado. Desta maneira, a vLAN permite a criação de arranjos de infraestrutura variados, tais como ter servidores de bancos de dados ligados a servidores web sem a necessidade de utilizar a banda internet.

      Endereços de IPv4 Privados (IPv4Prv):
      Cada Cloud Server, ao ser aprovisionado, receberá um IPv4 privado e obrigatório. Este IPv4 é utilizado no contexto de uma rede local privada (PVLAN), permitindo comunicação privada e local, em alta velocidade, entre os cloud servers existentes de uma mesma assinatura.

      Balanceador de Cargas Virtual (vLB):
      Consiste em uma unidade virtual de balanceamento de tráfego TCP/HTTP (camadas 4 e 7 do modelo TCP/IP) que permite distribuir os acessos entrantes de maneira uniforme entre dois ou mais Cloud Servers a fim de otimizar a utilização de recursos, maximizar o desempenho, minimizar o tempo de resposta e evitar sobrecarga aos Cloud Servers e aplicações nele instaladas. Cloud Servers sob um vLB não precisam possuir IPv4 Público, pois cada vLB já contempla a alocação de um endereço IPv4 público exclusivo que corresponde ao VIP (Virtual IP) deste vLB. Estão limitados um máximo de 128 Cloud Servers por instância de vLB. São baseados na solução open-source HAProxy e o gerenciamento é feito via interface web simplificada, disponível no Painel de Controle ou via API.

      Firewall Virtual (Firewall):
      Qualquer Cloud Server aprovisionado pode ser protegido por um firewall. As regras individuais e específicas para cada Cloud Server são configuráveis via Painel de Controle. Os Cloud Servers por padrão são aprovisionados sem nenhuma regra de firewall configurada, ou seja, todas as conexões de entrada ou saída são permitidas. No momento em que a primeira regra de firewall é criada, o comportamento se inverte e passa a ser o de negar qualquer conexão de entrada ou saída, exceto àquelas configuradas como regras do tipo permissão (“allow”). Os protocolos disponíveis para criação de regras são TCP e UDP. Pode-se especificar um IP único ou mesmo uma rede inteira, através da especificação de máscara de rede, para o acesso de origem remoto ou então toda a Internet, além da(s) porta(s). Internamente, para cada Cloud Server é possível especificar a(s) porta(s) interna(s) desejadas, permitindo que se faça Port Address Translation (PAT).

      Hospedagem DNS (DNS Hosting):
      Consiste no fornecimento de infraestrutura de resolução autoritativa primária (NS1) e secundária (NS2) para nomes de domínio (“DNS – Domain Name System”) e que estejam diretamente vinculados a um ou mais Cloud Server.

      Escalonamento:
      É possível escalonar a capacidade do servidor de forma vertical e horizontal via API, para alterar os valores de velocidade de processamento (vClock) e/ou memória RAM (vRAM) de um Cloud Server a fim de melhorar o desempenho da(s) aplicação(ões) sob condições de pico de acesso e/ou demanda.

      Escalabilidade Vertical
      Escalabilidade Horizontal
      ilustra-sem-balance (4)
      escalonamento horizontal

      Monitoramento de desempenho e consumo (Monitor)
      Para cada Cloud Server, o produto oferece uma interface de acompanhamento e monitoramento dos recursos de vCPU, vRAM e Transferência Externa. A interface é oferecida em forma de gráfico, em tempo real ou de acordo com o período selecionado. Presta-se como gerador de informação para auxiliar o cliente nos processos de otimização (tunning) e monitoramento de seu Cloud Server.

      Console de acesso remoto web (WebConsole)
      Para permitir o gerenciamento de Cloud Servers de forma independente de softwares bem como de restrições de redes locais (redes corporativas onde portas específicas são bloqueadas), prevê uma interface web, acessível via Painel de Controle, que permite acessar o console do Cloud Server. Este console utiliza o protocolo VNC e acessa o Cloud Server via rede administrativa da plataforma, que não sofre interferências e/ou erros de configuração, por exemplo. Para utilizar este recurso é necessário ter o Java JRE instalado em seu computador, pois o browser utilizado deve permitir o uso de Java Applets.

      Interface de Programação de Aplicações (API)
      É possível gerenciar os recursos através de uma API (Application Programming Interface), baseada no padrão REST. Esta API pode ser acessada remotamente de forma segura (HTTPS), utilizando uma chave segura (token) para autenticação. Permite criar e integrar ofertas, produtos e/ou plataformas próprias à infraestrutura do Cloud Server. Por meio de uma arquitetura RESTful consistente e completa, permite automatizar uma série de ações e interações com a infraestrutura fornecida para, por exemplo, obter uma lista de Cloud Servers existentes, seus detalhes, endereço de IP e afins. É possível criar novos Cloud Servers, deletar existentes, bem como iniciar e parar. Também é possível reconfigurar o hardware virtual, alterar endereços de IP, criar clones, fazer backups e muitas outras ações de forma programática. Os elementos, recursos e funções suportados e configuráveis através da API podem ser encontrados no Guia de Utilização da API Restful do Cloud Server, disponível no Painel de Controle.