Como escolher o provedor de Cloud Computing

Migração para Nuvem é inevitável, segundo Gartner. Confira nossas dicas de como iniciar essa jornada, escolhendo o provedor certo

Em quatro anos, a falta de políticas para Cloud Computing (Computação em Nuvem) nas companhias será raro, prevê o Gartner. Em 2020, essa tecnologia terá a mesma importância que a Internet tem hoje para os negócios, aponta estudos da consultoria. Para que sua empresa esteja em linha com essa tendência e possa extrair o máximo dos benefícios do consumo de Tecnologia da Informação (TI) sob demanda, listamos neste post cinco dicas de como escolher o provedor de Cloud ideal, já que encontrar o parceiro certo é o primeiro passo para início dessa jornada.

De acordo com o Gartner a estratégia de “Cloud-First” (Nuvem em primeiro lugar) está mudando para “Cloud Only” (apenas Nuvem). Isso significa que o modelo será um item importante nos planos das companhias para que os negócios sejam mais competitivos e inovadores.

Para Jeffrey Mann, vice-presidente de pesquisas do Gartner, a migração para Nuvem é inevitável e a política “não-Cloud” se tornará cada vez mais insustentável. O analista cita como exemplo a venda de software que está se tornando uma opção padrão pela Nuvem com variação de ofertas pelas redes Pública e Privada.

Atrativos dos serviços em Cloud

Com a evolução das modalidades de software (SaaS), infraestrutura (IaaS) e plataforma (PaaS) como serviço, o Gartner prevê que muitos dos recursos de TI de ponta estarão disponíveis exclusivamente em Nuvem.

Essa tendência demonstra a importância de as companhias terem projetos de migração, analisar bem a qualidade dos serviços e escolher o provedor de Cloud Computing que mais atende as necessidades da companhia.

A recomendação dos analistas de mercado é que as companhias comecem a estudar como o novo modelo pode trazer vantagens competitivas e elejam parceiros certos. Esse cuidado é necessário para se beneficiar das vantagens da compra de TI com elasticidade e flexibilidade.

A Nuvem dá a opção de contratação de recursos computacionais para atender picos de demanda dos negócios e reduzir a capacidade em períodos de baixo movimento. Pela modalidade, as empresas deixam de pagar por servidores e outros recursos ociosos, reduzindo os custos fixos do departamento de tecnologia da informação.

A Nuvem também dá mais mobilidade aos funcionários, com acesso às aplicações corporativas de qualquer lugar pela Internet. As equipes de TI podem se voltar mais para as estratégias de negócios. O fato de estar na Nuvem não significa que deixarão de se preocupar com as rotinas diárias das aplicações.

As companhias podem ainda impor mais velocidade aos projetos de desenvolvimento e testes de novas soluções, permitindo que sua empresa lance produtos e serviços antes da concorrência.

Como escolher o provedor de Cloud ideal

As vantagens de Cloud Computing são inúmeras desde que as empresas trabalhem com os parceiros certos e façam contratos levando em conta não apenas fatores como custos. Para ajudar você nessa tarefa, listamos a seguir cinco itens que devem ser observados na hora de escolher um provedor de Cloud Computing. São algumas medidas para aumentar a taxa de sucesso do seu projeto na jornada para Nuvem.

1- Provedor com credibilidade e estabilidade financeira

Avalie bem os provedores de serviços do mercado, analisando não apenas o item preço das ofertas. Dê preferência para empresas com credibilidade no mercado local e que tenham estabilidade financeira para hospedar as aplicações de negócios de sua empresa.

Questione sobre o contrato, garantias em caso de rescisão e como funcionam as integrações das aplicações. É importante que o provedor seja seu parceiro e que tenha compreensão de sua operação para ajudá-lo a crescer, oferecendo camadas de soluções que realmente atenda as necessidades de sua empresa.

2-Localização do Data Center

Procure saber onde os dados da sua empresa ficarão armazenados fisicamente. Alguns ramos de atividade são obrigados por lei a hospedar dados em território nacional. Avalie a localização do Data Center para saber como é a infraestrutura do provedor e se o local está em conformidade com as melhores práticas do mercado como a classificação Tier do Uptime Institute, por exemplo.

O cumprimento de alguns requisitos de instalação e segurança são peças-chave para prestação de serviços com qualidade e disponibilidade. Além desses aspectos, Data Centers instalados no Brasil levam vantagem pela redução do tempo de latência da conectividade para transmissão de dados.

3- Recuperação de desastres

Além de saber onde os dados de sua empresa ficarão armazenados, você precisa investigar, na hora de escolher o provedor, se a empresa conta com outros Data Centers distribuídos geograficamente para reduzir riscos e garantir a continuidade de negócios em casos de incidentes. Ter mais de uma localização é uma medida importante para recuperação de desastres. Questione seu provedor sobre esses aspectos e formas de acesso a backup (cópia de segurança) em situações de anormalidades.

4- Segurança para proteção de dados

A segurança é uma das maiores preocupações das empresas na migração de dados de negócios para Nuvem. Verifique os mecanismos adotados pelo provedor para proteção de dados sigilosos como firewall, criptografia robusta, sistemas de combate a ataque DDoS (Distributed Denial of Service) ou negação de serviço distribuída e outras técnicas contra ameaças virtuais.

5 – Suporte técnico

O suporte técnico 24 horas é um item que pesa na hora de analisar a qualidade dos serviços em Cloud Computing. Ninguém espera precisar desse serviço, mas se houver a necessidade de acessá-lo, ele tem que funcionar e com técnicos que entendam sua língua. Sua empresa pode precisar resolver um problema ou sanar dúvidas de madrugada ou no final de semana. Você precisa ter a certeza de que seu provedor prestará esse atendimento com agilidade para que seu negócio não seja prejudicado.

 

Gostou do artigo? Comente!


Comente o que achou