Por que o BYOD precisa de Cloud Computing?

Fenômeno do BYOD depende de soluções de segurança e aplicações corporativas em Nuvem para sucesso dos projetos.

A mobilidade se espalhou pelas empresas e conectou não apenas os negócios. Os funcionários também se beneficiaram com a tecnologia, abriu as portas para o fenômeno BYOD (Bring Your on Device), que permite que os empregados usem no ambiente de trabalho os dispositivos móveis pessoais.

O movimento do BYOD vem crescendo nas companhias em todo o mundo. Um estudo global do Gartner estima que em 2016 essa prática marcou presença em 38% das organizações. As previsões da consultoria são de que esse índice subirá para 50% em 2017.

As empresas são incapazes de coibir a entrada de dispositivos pessoais no ambiente corporativo, ainda mais com o mundo conectado. A maioria das pessoas carrega um smartphone no bolso com acesso à Internet disponível praticamente 24 horas, dificultando o controle do BYOD.

Cientes de que perderam essa batalha, muitas companhias decidiram aceitar o BYOD. Porém, antes de abrir as redes corporativas para entradas dos aparelhos pessoais, empresas decidiram adotar medidas para reforçar a segurança e migrar aplicações para Cloud Computing (Computação em Nuvem).

Origem do BYOD

O termo BYOD surgiu em 2009. Pesquisas apontam que foi pronunciado pela primeira vez quando, a fabricante de chips Intel percebeu que seus funcionários estavam trazendo para a companhia dispositivos pessoais (notebook, netbook, tablets e smartphones) para trabalhar com eles conectados à rede corporativa. A empresa precisou entender a tendência e se adequar para lidar com o novo hábito.

De lá para cá esse fenômeno vem evoluindo nas companhias. O BYOD é resultado da consumerização de Tecnologia da Informação (TI), termo usado para descrever o uso de dispositivos pessoais no ambiente de trabalho. Com os avanços da mobilidade e das tecnologias de consumo, os usuários finais passaram a ter condições de também comprar seus aparelhos.

Até então, apenas as empresas poderiam investir em tecnologias de ponta. O usuário final estava sempre atrás das novidades. A chegada do iPhone e iPad mudou esse cenário. A competição acirrada entre as fabricantes de smartphones tornou os aparelhos mais acessíveis aos consumidores.

A mobilidade inverteu os papéis e as empresas deixaram de ser únicas na condução da força motriz de inovações. Os dispositivos móveis se proliferaram e puxaram a revolução tecnológica, aumentando a popularidade das redes sociais e consumo de serviços em Cloud Computing.

O BYOD se proliferou pelos ambientes corporativos. A argumentação dos funcionários para a prática é de que seus dispositivos pessoais (iPhone, iPad e smartphones com sistema operacional Android) são mais modernos e fáceis de ser usados, o que contribuiu para aumento de produtividade.

Na verdade, o BYOD começou a ser praticado por executivos do alto escalão. Eles voltavam de viagens internacionais com iPhone e iPad e queriam usá-los na empresa. Os Chief Information Officers (CIOs) não podiam dizer não para um CEO ou um diretor e abriam exceção com a homologação dos novos aparelhos.

BYOD estimula investimentos em Nuvem

Antes da consumerização, a TI fornecia celulares corporativos para alguns funcionários com restrição de marca e sistema operacional para facilitar a gestão da segurança. O BYOD derrubou essa regra e deu muito trabalho para os CIOs, que tiveram que buscar soluções em Nuvem para proteger aparelhos pessoais no acesso aos dados corporativos.

Um dos serviços adotados pelas empresas foi o MDM (Mobile Device Management) ou gerenciamento de aplicações e dispositivos móveis, que administra os aparelhos do BYOD, que permite provisionar aparelhos remotamente, analisar a segurança, fazer backup online de dados corporativos e separar o perfil pessoal do corporativo.

As empresas foram obrigadas a investir mais em mobilidade para permitir aos funcionários o exercício de suas atividades de qualquer lugar. Os serviços em Nuvem estão sendo essenciais para esse processo de mudança.

Primeiro, as companhias levaram o e-mail corporativo para Cloud Computing para acesso pelos aparelhos particulares. Aos poucos foram ampliando a adesão de ferramentas em Nuvem. Atualmente, funcionários podem acessar pelos seus dispositivos pessoais praticamente todas suas aplicações que utilizam no escritório. Claro, com autorização e seguindo as políticas de segurança.

O BYOD depende em muito da Cloud Computing para ser colocado em prática nas empresas.

Gostou do artigo? Comente!


Comente o que achou